HISTÓRICO

A comunidade Imaculado coração de Maria, foi fundada no dia 22 de agosto de 2004. E tem como seu principal idealizador, o então ministro da palavra, o senhor Francisco Moreira Pinheiro e sua esposa, Maria Solange da Graça Pinheiro.

Ao fixarem residência no bairro Parque das Laranjeiras, 3° etapa, na Rua Visconde de Caeté, no ano de 2002, o casal que vinha de outra paróquia pertencente a arquidiocese de Manaus onde eram evangelizadores, viram a necessidade de se criar uma comunidade pois não havia nenhuma igreja por aqui, aja visto que as mais próximas eram: São Judas Tadeu, Santo Expedito e Nossa Senhora do Carmo, mas ficavam um pouco distante. Até que em dezembro de 2003, o senhor Francisco saiu nas casas das famílias vizinhas e nos apartamentos do Residencial Yael, convidando-as para fazerem as novenas do Natal em família. A ideia foi muito bem aceita pelas famílias. Terminadas as novenas, um pequeno grupo continuou com os momentos de oração nas casas, ou seja, se reuniam com as famílias para rezarem, fortalecendo a ideia de se fundar uma comunidade.

Ciente de que a área em que morava, pertencia a Paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe, o senhor Francisco iniciou os contatos com o pároco e sua equipe de administradores da Paróquia para ver as possibilidades de criar aqui uma comunidade. Essas conversas duraram alguns meses. Até que no dia 22 de agosto de 2004, às 19:30 horas no Barracão do Condomínio Residencial Yael era realizada a primeira celebração na comunidade. Essa celebração foi presidida pelo então pároco de Guadalupe, diácono Armando Borges filho que teve ainda como membros de sua equipe celebrativa: Marcos (animador); Solange (primeira leitura); Inês (salmo); Francisco (segunda leitura); Joicy (oração da assembleia) e o grupo de música de Santo Expedito.

Foram realizadas apenas quatro celebrações no casarão do Yael, porque um pequeno grupo de moradores evangélicos do condomínio era contra a continuação das celebrações naquele espaço. Então as celebrações e missas passaram a ser realizadas na residência do casal, Francisco Pinheiro e Solange, aos sábados às 19:30 horas. O espaço era pequeno, mas muito acolhedor. Tudo era improvisado, o altar era uma banda de porta em cima de uma pequena mesa, as cadeiras nem sempre davam para todos sentarem, mas tudo era feito com muita alegria e carinho. As celebrações aconteciam sempre com apoio da comunidade de Santo Expedito: ministros, coroinhas, Eucaristia e grupo de música. A comunidade era conhecida apenas como: Comunidade do Yael. Até que no dia 8 de outubro de 2004, aconteceu uma reunião na casa do senhor Francisco, a fim de escolher o nome do Padroeiro da Comunidade do Yael. E como toda decisão importante, não houve um consenso sobre a escolha. Foram apenas sugeridos 06 (seis) nomes: Madre Paulina, Nossa Senhora do Rosário, Santíssima Trindade, Imaculado Coração de Maria, Santo Agostinho e São Francisco. Nessa reunião foi mudado o horário das celebrações para os domingos às 18:00 horas.

No dia 10 de outubro de 2004 após a Santa Missa que foi presidida pelo Padre Mário, os seis nomes sugeridos na reunião anterior, foram levados a votação da assembleia para a escolha do(a) Padroeiro(a), dezoito pessoas participaram da votação e o resultado foi o seguinte:

Madre Paulina – um voto; Nossa Senhora do Rosário – um voto; Santíssima Trindade – três votos; Imaculado Coração de Maria – 7 votos; Santo Agostinho – dois votos; São Francisco – três votos. E o nome escolhido foi: Imaculado Coração de Maria, com sete votos. Houve uma abstenção.

Escolhido o nome da Padroeira, a comunidade Imaculado Coração de Maria passava a ser a mais nova a fazer parte da Paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe, de fato, mas ainda não de direito. As coisas foram acontecendo lentamente, pois o número de colaboradores era muito pequeno. Mas a força de vontade e a disposição eram imensas.

O primeiro arraial em homenagem à Padroeira foi feito no dia 4 de junho de 2005, e tudo foi programado 3 dias antes, em uma reunião de preparação para a celebração dominical na casa do senhor Francisco. Os presentes decidiram fazer uma celebração para a data não passar em branco e em seguida um pequeno arraial. E tudo foi feito, as pessoas se mobilizaram e saíram pedindo doações, e tudo se conseguiu em 2 dias. A promoção foi um sucesso, e o resultado foi muito proveitoso e animador.

A partir daí começava-se a luta para a formação das pastorais, mas faltava a mão de obra. Até que no dia 17 de julho de 2005 era apresentada a primeira equipe de serviço da Comunidade: Batismo – Danilo e Jeane; Liturgia – Vicente, José Fernandes, Tânia, Djalma e Janaline. Música – Janarilane, Janaiane, Malke, Fausto Pontes, Douglas e Charrel. Finança – Dona Inês. Dízimo – Regina Célia. Salmistas – Douglas e Charrel. Candidatos a coroinhas – Iraúna e Charrel.

Mas como toda caminhada vitoriosa, eram muitas as dificuldades, o espaço para as celebrações na casa do senhor Francisco, já começava a ficar pequeno e não havia um terreno para construir a igreja; não havia pessoas suficientes disponíveis para ajudar nos serviços. Isso fez com que, em agosto de 2005, o pároco diácono Armando com apoio da arquidiocese sugerisse a “fusão” da comunidade Imaculado Coração de Maria com a comunidade Santo Expedito. Haja visto que Santo Expedito, também estava no início de sua história, mas já com sua igreja em construção e juntariam as duas em uma única comunidade. Houve uma resistência a essa ideia por parte do Senhor Francisco e das pessoas participantes da comunidade. Até que o diácono Armando e a representante da arquidiocese, foram convencidos de que valeria a pena dar continuidade nos trabalhos de manutenção da comunidade.

A partir daí, as celebrações voltavam a ser realizadas no casarão do Yael, aos domingos, às 18:00 horas. E novamente houve uma rejeição por parte de um pequeno grupo de moradores evangélicos que não queriam que as celebrações acontecessem no casarão. Essa resistência durou alguns meses, aconteceram várias discussões, o senhor Francisco recebeu ligações telefônicas anônimas com ameaças de irem interromper as celebrações, mas isso nunca aconteceu.

O trabalho daquele pequeno grupo de agentes ia ficando mais forte e conquistando a confiança das famílias que passavam a se juntar ao grupo, fortalecendo ainda mais uma equipe que já era forte, pela presença de Deus e Nossa Senhora.

Até que em 6 de junho de 2006, era escolhida e empossada a nova coordenação, pelo pároco diácono Armando, e ficava assim formada: Animadora de comunhão – Elisa de Souza Batista; Animador financeiro – João do Rosário Nogueira; Animador Pastoral – Fausto Campos da Silva; Dízimo – Danilo e Jeane; Liturgia – Vicente Mouzinho e José Fernandes; Catequese – Marlete e Sharlote.

Tudo caminhava com muita dificuldade, faltava estrutura e organização; a catequese era realizada nas casas das famílias, como por exemplo: na casa do senhor Francisco, senhor Guido Cardoso; senhor José Priantti; senhora Tânia Tavares e Escola Mário Ypiranga.

Com a posse da nova coordenação e a inclusão de várias famílias do conjunto Yael na comunidade, começava-se dar um ponto final na perseguição dos evangélicos sobre o uso do casarão. Após alguns meses de conversações, foi realizada uma reunião da coordenação da comunidade com a administração do condomínio e um grupo de moradores evangélicos contrários e moradores católicos. E ficou definido que a partir daquele dia, a comunidade teria o espaço livre todos os domingos de 6:00 às 10:00 horas da manhã, para a realização dos seus eventos celebrativos. E os demais eventos, teriam que seguir a rotina normal dos moradores, ou seja, obedecer a uma agenda com dia e horário; e assim foi feito.

Com essa batalha vencida, estava consolidada a igreja povo. Mesmo com as dificuldades de estrutura, sobravam boa vontade, disposição e fé. As adorações ao Santíssimo Sacramento eram feitas mensalmente todo primeiro sábado do mês, nas casas das famílias, com maior número de vezes, lá onde tudo começou, na casa do casal, Francisco e Solange.

Essa perseverança e força vinda das famílias faziam com que a coordenação desse início a mais árdua e longa batalha desta história: a luta para conseguir um local para construir a igreja templo. A falta de um local adequado e a condição financeira da comunidade eram os maiores obstáculos.

Mas em julho de 2007, era iniciado o primeiro capítulo dessa batalha. A comunidade comprava um pequeno terreno medindo 10 metros de frente e 30 metros de fundo, na Rua Visconde de Jequitinhonha por um valor de R$ 16.000,00. A serem pagos da seguinte forma: uma entrada de R$ 8.000,00 e mais oito parcelas de R$ 1.000,00. Esses valores eram os vindos das ofertas, do dízimo e das promoções, como: arraiais, café da manhã e doações dos fiéis. Feito todo o procedimento de compra e venda no cartório, começamos a limpar o imóvel para dar início às obras, foi quando veio o primeiro choque: apareceram mais duas pessoas se dizendo donos do terreno e mostrando os mesmos documentos que nos foi passado. Para não perdermos o terreno e o dinheiro, teríamos que acionar a justiça. Como seria um processo demorado, decidimos cancelar o negócio e reaver o dinheiro pago; e assim foi feito. Porém, tudo voltava à estaca zero.

Em janeiro de 2009 uma nova luz. A imprensa local divulgou que o campo do Yael seria leiloado, pela cooperativa habitacional Duque de Caxias, que se dizia dona da área. Ao tomar conhecimento da informação, representantes da comunidade, da Área Missionária e da Arquidiocese de Manaus procuraram o diretor-presidente da cooperativa, em busca de mais informações. E ouviram do mesmo, que a cooperativa era sim a dona da área e que iria leiloar a mesma, a menos que vendessem antes do dia do leilão. E aproveitou para oferecer a área de 110 metros de frente por 60 metros de fundo para arquidiocese, no valor de R$ 200.000,00. Não dispondo do valor pedido, a arquidiocese fez uma proposta de compra de apenas uma pequena parte da área. Proposta aceita, negócio fechado. 40 metros de frente por 60 metros de fundo, por R$ 40.000,00. Sendo uma entrada de R$ 20.000,00 mais quatro parcelas mensais de R$ 5.000,00.

Feito todos os procedimentos legais entre Arquidiocese e a Cooperativa, foi paga a entrada de R$ 20.000,00. Só que a administração do Residencial Yael entrou na justiça para impedir a comercialização da área. Alegando que a área era parte do condomínio. Desta forma solicitou da comunidade através de carta, que desistisse do negócio para que o condomínio aumentasse sua chance de não perder o espaço na justiça, porque era o único local de lazer dos moradores, do condomínio e da comunidade em geral.

A comunidade juntamente com a Área Missionária e Arquidiocese, entendendo que a igreja e povo devem caminhar juntos e em paz, decidiram aceitar o pedido dos moradores e desfazer o negócio. Foi feito um destrato com a cooperativa e o dinheiro foi devolvido. E, mais uma vez, a comunidade desfazia um negócio sem nenhum dano financeiro, mas continuava a luta por um espaço próprio.

Mesmo com mais uma tentativa frustrada, os comunitários não desanimaram. Continuamos lutando e esperançosos de que o Deus que servimos é misericordioso, e tudo era questão de paciência e tempo para conseguirmos o tão sonhado local para construir a igreja. Até que em Janeiro de 2012, iniciou-se a terceira e última investida para comprar o terreno. Encontrado o local, começou a mais demorada negociação; foram três meses de conversa. O espaço era adequado, mas a comunidade não dispunha do valor total do imóvel pedido pelo proprietário, que era R$180.000,00. Então, o arcebispo da Arquidiocese de Manaus, Dom Luiz Soares Vieira, autorizou o pároco da Área Missionária São Lourenço, Diácono Armando Borges Filho, a vender a casa paroquial e com o dinheiro da venda, comprar o terreno para o Imaculado. Essa ideia não foi bem aceita pelos comunitários de Santo Expedito. As opiniões ficaram divididas até mesmo entre os agentes pastorais. Mas foi por questões documentais que a venda não foi concretizada. Após muitas conversas, a dona do terreno aceitou baixar o valor para R$ 150.000,00. Por esse valor a Arquidiocese, através do seu conselho administrativo, decidiu bancar o restante R $120.000,00 como empréstimo para a comunidade, a ser devolvido parcelado, sem data fixa para começar a devolução. E, finalmente, a compra do terreno foi concretizada. O terreno fica na Rua Presidente Jânio Quadros, número 141, Parque das Laranjeiras, terceira etapa, e mede 20 metros de frente por 40 metros de fundo.

Com o processo de compra e venda finalizado, já se começava a construir ainda em 2012. Em agosto e Setembro daquele ano foi levantada a estrutura metálica e feita a cobertura da Igreja. A área construída é de 936m², com capacidade para 150 pessoas.

A alegria deixava os comunitários eufóricos, e tudo ia muito rápido até que no dia 24 de dezembro de 2012 a comunidade enfim celebrava pela primeira vez na sua casa própria. A celebração de Natal foi presidida pelo pároco da Área Missionária São Lourenço, diácono Armando Borges Filho.

A partir daí, a comunidade unia-se ainda mais no sentido de aprontar a igreja. As promoções passaram a ser frequentes: arraiais, feijoadas, festivais de peixe frito; tudo destinado à construção.

Em 2013, foram feitas as paredes e piso.

Em 2014, já com o comando do novo pároco da Área Missionária São Lourenço, o Padre John Paul, da congregação MMI (Missionários de Maria Imaculada) foi construído o presbitério, e feito o reboco das paredes e pintura total do templo.

Com a chegada dos Missionários do MMI, Padre John Paul, Padre Antony Sagayraj e Padre Jhosef, as mudanças para melhor passaram a ser imediatas em todos os sentidos. A motivação, organização e o comprometimento com a comunidade fez surgir novos agentes, novas pastorais e os serviços oferecidos passaram a ter melhor qualidade.

A partir de 2015 até 2016, com a implantação do conselho administrativo da AMSL e a nova maneira de viver em comunidade, implantada pelos padres, onde todas as comunidades se ajudam, de acordo com a prioridade de cada uma, a comunidade conseguiu com a ajuda da AMSL, grandes melhorias, como: fechar a igreja, colocando as portas e janelas em Blindex de primeira qualidade, construir a sala de música, o forro e fazer toda a instalação elétrica.

Alguns pontos chamam a atenção, como por exemplo: a falta de novos agentes fez com que o Sr. Fausto Campos da Silva, ficasse a frente da comunidade por duas oportunidades: de 06-06-2006 a 04-11-2012. E retornando em 22-02-2014. Outro ponto importante: a comunidade não tinha quem tocasse nas celebrações. Era apoiada por Santo Expedito, Guadalupe e pessoas voluntárias que sempre se dispunham em ajudar. Algumas vezes as celebrações foram feitas sem música. Até que em 2008, os adolescentes Eduardo Augusto Castro da Silva, no violão, e sua irmã, Evellyn Cristina Castro da Silva, no vocal, juntamente com Felipe Freitas França, na percussão e Flávia da Silva e Silva, também no vocal, iniciavam uma das mais belas partes desta história: o grupo de música da comunidade Imaculado Coração de Maria. Um grupo mirim, que a cada celebração melhorava cada vez mais, enchendo de orgulho os comunitários e seus familiares. Tornando-os uma referência, não somente na comunidade, mas em toda a Área Missionária São Lourenço.

FESTA RELIGIOSA

I Festa Religiosa – 2008
II Festa Religiosa – 2009
III Festa Religiosa – 2010
IV Festa Religiosa – 2011
V Festa Religiosa – 2012
VI Festa Religiosa – 2013
VII Festa Religiosa – 2014
VIII Festa Religiosa – 2015
IX Festa Religiosa – 2016

FESTA SOCIAL

I Festa Social – 2005
II Festa Social – 2006
III Festa Social – 2007
IV Festa Social – 2008
V Festa Social – 2009
VI Festa Social – 2010
VII Festa Social – 2011
VIII Festa Social – 2012
IX Festa Social – 2013
X Festa Social – 2014
XI Festa Social – 2015
XII Festa Social – 2016

COORDENAÇÃO DE PASTORAL

Pároco: Pe. John Paul MMI 99485-0122
Vigário: Pe. Bala Suresh MMI
Coord. de Pastoral: Pedro Paulo Costa da Silva
Coordenadora: Maria Socorro M. de Souza
Secretária: Ângela Lima do Nascimento
Coord. Administrativo: Maria Jose de Souza Mufatto
Coord. Liturgia: Priscila de Souza Mendes
Coord. Eucaristia: Soleane Mota Macena
Coord. Crisma: Keyla Roberta Nunes Cunha
Coord. Dizímo: Rosineide Roque de Souza
Coord. Batismo: Almir Cordeiro Aid
Coord. Coroinhas: Aldenora Batista Alves
Coord. Juventude:
Coord. Ministros: Marluce de Souza Viana
Coord. Setorização: Tânia Maria Ribeiro Tavares
Coord. de Leitores: Priscila de Souza Mendes